Criei o espaço para publicar minhas idéias, digo poemas, apenas pensamentos espremidos até formarem versos. Puramente leigo, mais um diário que qualquer coisa.

Uma descrição do que passa por mim e do que fica, meu ponto de vista que é bastante restrito, desse tecido tão interessante, a alma humana.

Espero que apreciem a visita.


Todas as imagens são da internet e de propriedade dos respectivos sites.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Desamores e fantasias

Feitos em moinhos de vento
Seguindo o imaginário infinito
Conduzindo um dia pós outro
Tentando levantar do pó em pó
Destruindo futuro para manter
O Presente intacto e fluido

Homeostasia em carne viva
Se erguendo para mais um sol
Todo tempo feito de nada
Ainda é tempo passado
Quem sabe um dia vire tudo
Sonho vívido tridimensional

Quando a coragem não fraquejar
se o dedo não mais censurar
ou as palavras pausarem em mim
de assombro pela ignorância
e os versos congelados cessarem

Um comentário:

  1. Oi, Cibis!

    Que bom que voltou e foi contudo!
    Seu poema, como sempre é uma obra-prima!
    Engendrado com palavras fortes e motivadoras.
    Estava sedento por beber de sua poesia.

    Parabéns pelo talento!

    Abraços!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget