Criei o espaço para publicar minhas idéias, digo poemas, apenas pensamentos espremidos até formarem versos. Puramente leigo, mais um diário que qualquer coisa.

Uma descrição do que passa por mim e do que fica, meu ponto de vista que é bastante restrito, desse tecido tão interessante, a alma humana.

Espero que apreciem a visita.


Todas as imagens são da internet e de propriedade dos respectivos sites.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Temporal de tempos

Frio por fora, gelado por dentro
um pequeno verme corrói o eu
desânimo colossal se ancora
afundada em passado a alma chora
Que seria o eu sem o imperfeito
Um futuro do pretérito, seria
tudo quadrado e reto, tempestade
sem espaço para a pequena calmaria

Abrir os olhos para aquela luz
uma assim tremeluzente, presente
tão cheia de gerúndios, ela é
aconchegante,a tal de esperança

Sair correndo como a criança
atirar os braços para a vida
de rosto limpo e a alma límpida
fazer história, esperança futura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget