Criei o espaço para publicar minhas idéias, digo poemas, apenas pensamentos espremidos até formarem versos. Puramente leigo, mais um diário que qualquer coisa.

Uma descrição do que passa por mim e do que fica, meu ponto de vista que é bastante restrito, desse tecido tão interessante, a alma humana.

Espero que apreciem a visita.


Todas as imagens são da internet e de propriedade dos respectivos sites.

sábado, 26 de junho de 2010

Alma em vermelho carmesim

Um querer desalmado por possuir
fome ardente a consumir e roer
alcançar ossos, músculos e carnes
cinco sentidos carentes ampliados
uma concentração egoísta de querer
o não bastar-se total dependência
total intensidade da carência.

Some-se o pudor vai-se timidez
olhos atentos em brilho febril
mãos desenvoltas com altivez
mente em vulúpia com seu ardil
sentir e tocar, receber e dar
doar e perder-se nessa mescla.

Tolher-se da visão pelo olfato
satisfazendo audição e o tato
deixa-se levar pela enxurrada
o som que apanha o toque, cor
o cheiro enleva a alma, tato

Sentir-se pleno e ir além
querer doar-se percebendo
satisfazer o ego além de si.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget