Criei o espaço para publicar minhas idéias, digo poemas, apenas pensamentos espremidos até formarem versos. Puramente leigo, mais um diário que qualquer coisa.

Uma descrição do que passa por mim e do que fica, meu ponto de vista que é bastante restrito, desse tecido tão interessante, a alma humana.

Espero que apreciem a visita.


Todas as imagens são da internet e de propriedade dos respectivos sites.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Confusão

Estranho como tem fama,
má fama é o que digo,
Os poemas e assemelhados.
São tortos e dificultosos.

Poemas são, a meu ver
tão difíceis quanto ver,
complexos como conversar
intrínsecos, e explícitos.

Claro! Nós banalizamos,
Nossos atos e diálogos
Somos sempre egoístas
Pensando que nos entendem.

Veja bem, quando digo algo
espero ser compreendido
mas nem sempre acontece
e quase nunca é conferido.

Temos diálogos desinformados
Somos medícres com palavras
Temos medo de dizer tudo
Então dizemos só metade

Para que a metade seja
aceita e completa no outro
Assim somos aprovados
no simples da linguagem.

Escrever de coração é
um dilema, expomo-nos.
Mas no fundo das palavras
há sentimentos verdadeiros.

Um poema é completo, o tudo
Sempre confuso e é incerto
assim como nós o somos
E depende da interpretação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget